2017-04-30

Dia de fazer um pouco mais


Esta semana os jogadores do Sporting demonstraram uma enorme solidariedade para com o treinador Jorge Jesus no momento deste velar o seu pai.

Hoje é um excelente dia para a equipa principal do Sporting entrar em campo e atropelar o Braga em níveis de atitude. Não só por Virgolino ser pai de Jorge mas também por ter sido jogador e campeão pelo Sporting Clube de Portugal. Algo que todos aspiram, com certeza, a ser.

Se não for pedir muito, lembrem-se também do adepto assassinado na semana passada. Lembrem-se também de todos os adeptos que semana após semana vos apoiam incondicionalmente.

Hoje é dia de fazer um pouco mais que estar em campo. É preciso ter atitude de Leão. É no final desta época que se começa a ganhar a próxima e o Sporting não pode voltar a ser visto como estando feliz no terceiro lugar. Jogadores que não percebam isto não merecem envergar a camisola Verde e Branca.



2017-04-29

Morreu o instrutor de árbitros FIFA que queimou a camisola do Sporting


Para quem não está recordado, Asselam Khan foi o instrutor de árbitros FIFA que foi apanhado a queimar uma camisola do Sporting. Faleceu hoje, com 50 anos.

Todos irão falar dos seus méritos, mas na minha cabeça estará para sempre o momento em que ele desrespeitou uma instituição centenária como o Sporting Clube de Portugal.

Que ninguém se esqueça disto!





2017-04-28

O caminho da impunidade

 

O nome é Luís Miguel Pina, tem 35 anos, é membro dos No Name Boys e é conhecido também por "Lué" e "Tanolas". Tem ao seu dispor um dos melhores e mais caros advogados do país (Carlos Melo Alves) e acaba de ver a sua audição adiada...

Tudo se configura para estarmos perante um novo caso Very Light. Impunidade total e em toda a linha.

É a impunidade total que é dada aos crimes que envolvem os protegidos de Vieira. Até quando? Até quanto?



O macaco e a pergunta de um milhão de euros

 


Há algum tempo, toda a imprensa e, por consequência, a carneirada da cartilha perseguiram Fernando Madureira - o Macaco da Ribeira - por ganhar um valor que não se adequava à sua condição de dono de um Porsche.

Ontem, Luis Pina - o alegado assassino do Renault - entregou-se às autoridades na companha de um dos mais caros advogados do país e nem uma palavra foi dita pela imprensa.

Os jornalistas continuam castrados a fazer apenas as perguntas que a cartilha lhes envia. Vergonhoso país é este que à Terça-feira celebra a liberdade que não tem nos restantes dias.




2017-04-26

Não pode valer tudo, por Nuno Saraiva


Vivemos tempos de brasa no futebol português que, em certa medida, fazem lembrar os dias do PREC nos anos de 1974 e 1975. Talvez tenhamos todos culpas neste cartório, uns mais do que outros, e não deixarei de assumir nunca a minha quota-parte de responsabilidade.

Este exercício de reflexão e humildade não significa que estejamos dispostos a capitular, como tantas vezes no passado, e ficar em silêncio perante a ofensa e a indignidade. Há limites que não podem, em nenhuma circunstância, ser ultrapassados. E sempre que esteja em causa a defesa do Sporting CP e a honra e dignidade do seu presidente, eu estarei sempre na primeira linha.

Vem isto a propósito dos chamados "factos alternativos", tão em voga, e das cartilhas que certos amestrados utilizam para incendiar e incentivar ao ódio, atirando depois as culpas para cima de outros que mais não fazem do que se defenderem da indignidade, dos insultos e da violência com que são atacados.

Na verdade, aquilo a que temos assistido não é mais do que a utilização das práticas mais negras inscritas nos manuais de comunicação política que podem ser classificadas como terrorismo comunicacional. A partir do Dubai, do Qatar ou de qualquer outro poiso de exílio dourado, João Gabriel, o chefe da célula, continua a comandar as tropas através dos seus tweets ou com os dedos a operar os cordelinhos das marionetas. É ele quem manda, sempre mandou, por mais que sejam outros a redigir comunicados ou a assinar artigos em jornais.

Vamos lá aos factos que importam. Na madrugada de 22 de abril foi assassinado um adepto do Sporting CP. Não é a primeira vez. Desde 1996, ano da tragédia do Jamor, que as claques ilegais a quem o SL Benfica comprovadamente presta apoio celebram o homicídio de um adepto sportinguista, seja com cânticos hediondos seja com imitações constantes e aberrantes dos silvos de um very-light. O Estado, através do IPDJ, insiste em cruzar os braços. As instâncias do futebol assobiam para o lado. E, pior do que isso, o presidente do Benfica e aqueles que o seguem, por detrás da costumeira sonsice, caucionam estes atos criminosos quando não se demarcam das suas claques e, mais grave, consideram que a morte se justifica por alegadas provocações.

Depois, em nossa casa, há quem se ache no direito de insultar a seu bel-prazer o presidente do Sporting, com um discurso de cartilha barata que só pode ter sido passada por uma qualquer janela, e considere isto normal.

A célebre cartilha de que o país teve conhecimento é, como muitos já o reconheceram e rotularam, um manual de incentivo ao ódio e à violência contra o Sporting CP e o seu presidente. É no mínimo curioso que o Ministério Público ainda não se tenha debruçado sobre este assunto que tem todos os contornos de crime público, razão pela qual uma investigação criminal não está dependente da queixa de ninguém. Se houver vontade e coragem, investiga-se e ponto final.

Quais virgens ofendidas, agitam-se de cada vez que alguém lhes responde, no exercício legítimo de defesa da honra. Mas seremos nós os incendiários? Esses são os que fingem estar em silêncio, pagando depois aos tais amestrados para que façam as maiores malfeitorias. São esses, hipócritas e pouco corajosos, os verdadeiros pirómanos que atiram as pedras mas, por simples cobardia, escondem as mãos.

E é por causa desta impunidade permanente que, de colinho em colinho, nada muda dentro ou fora do campo.

Acusam-nos de estarmos desesperados porque não ganhamos. Nada disto pode servir-nos de desculpa para uma época que, no futebol, é indiscutível, não correu como queríamos. Mas isso não nos diminui em nada sempre que estejamos sob ataque. Outros há que, com a arrogância de quem acha que tem o tetra no bolso, deviam era estar a preparar-se para celebrar o ‘treta’.

O futebol português precisa de paz, é verdade. Há limites que não podem continuar a ser ultrapassados. Mas não nos peçam para sermos uma espécie de Cristos, que, em nome da pacificação necessária nesta indústria, estaríamos disponíveis para dar a outra face perante tanta agressão e falta de respeito.

O tempo em que ser diferente era sinónimo de ser submisso acabou. No futebol, como na vida, não pode valer tudo!



2017-04-25

Luis Filipe Vieira apanhado a dar a cartilha em directo


Luís Filipe Vieira, o estadista, foi apanhado no passado Sábado a pressionar jornalistas para que fizessem algumas perguntas a Jorge Jesus na conferência de imprensa.

Com a sua típica bazófia, pegou no telemóvel onde tinha alguns videos e foi dizendo:
"Vou estar atento... Nesta conferência vocês vão perguntar lá ao marquês pelos penalties! Vamos lá ver do que é que vocês vão falar...", Luis Filipe Vieira
Este vídeo é retirado do post do Artista do Dia que pode ser lido aqui (LINK).




E os jornalistas calados. Nem um piu. Insisto na pergunta: Quem castrou os jornalistas?

Esta situação é reveladora de duas grandes verdades:

1) Luís Filipe Vieira e o benfica têm controlo total sobre a imprensa. Mesmo aquele que pareça mais isento não tem força para publicar nada pois está sempre condicionado por "directores adjuntos" que coordenam o que deve ou não sair.

2) Somos demasiado moles para sermos campeões. No Auditório Artur Agostinho, em nossa casa, deixamos que alguém fale assim. Deixamos que, à frente dos nossos olhos, se coaja jornalistas e se manipule a verdade.

Se não podemos fazer nada em relação ao primeiro ponto, talvez já vá sendo tempo de começarmos a ter os testículos no sitio...



2017-04-24

Pressões a Soares Dias podem ter ditado o resultado do derby

"P.S.1 Ontem, no intervalo do dérbi, Luís Filipe Vieira, Rui Costa e Paulo Gonçalves, fizeram uma espera ao árbitro Artur Soares Dias para lhe pedirem satisfações por alegados penaltis não assinalados a seu favor. A cena de coacção e intimidação, habitual nestes protagonistas como foi por exemplo relatado em Paços de Ferreira, foi testemunhada pelos delegados da Liga presentes em Alvalade.
O Sporting CP aguarda o relatório dos árbitros e dos delegados, bem como a reunião do Conselho de Disciplina para então decidir se será mais uma vez forçado a apresentar queixa junto deste órgão.", post de Nuno Saraiva no dia a seguir ao derby.



A verdade é que o árbitro entrou para a segunda parte com uma enorme capacidade de inclinar o campo. A falta que origina o 1-1 nem sequer existe. Mas o que esperar de mais uma "parceria" Adidas?






2017-04-23

Um título que cheira a pó, a roubo e a sangue


O Porto acaba de hipotecar as suas hipóteses de ser campeão. As do Sporting foram hipotecadas por terceiros já há algumas semanas.

O golo mal anulado a Alan Ruiz contra o Marítimo era o suficiente para nos manter na corrida. De todos os murros no estômago que levámos esta época, bastava UM não ter acontecido para a história deste campeonato ser diferente. Mas eles não correram riscos, deram vários para garantir que íamos mesmo lá para baixo.

Se imaginarem que houve jogo da mala sempre contra nós enquanto estivemos na corrida e que árbitros foram jantar ao museu da cerveja, em quanto não terá ficado este título do benfica?

Mais, se tivessemos tido a coragem de fazer pressão sobre a arbitragem desde o primeiro dia em quanto mais tinha ficado? Nesta época, 17 clubes forem prejudicados para que um pudesse ser campeão de forma folgada. Como no ano anterior e nos outros dois antes desse.

Estamos dispostos a gastar o mesmo dinheiro para sermos campeões na próxima época? Ou vamos continuar a ser anjinhos e a acreditar que tudo se resolve dentro das quatro linhas?

A maior prova disto é que até acontecem assassinatos na noite antes de um derby e não há consequências à vista. Amanhã a Sagres faz um video a apelar à paz no futebol e toda a gente se esquece do que aconteceu. Todos menos aquele filho que ficou sem um pai morto às mãos de um benfiquista. Mais um...

Vamos chegar ao final da época com cheiro a pó, a roubo e a sangue. O título da vergonha está bem entregue ao campeão da vergonha. Este futebol está podre. E nós demasiado mansos para mudar algo.



Luis Filipe Vieira branqueia assassinato podendo, assim, gerar mais mortes



Alguém tem dúvidas que são aquelas "cartilhas" que incendeiam o futebol em Portugal? Aquele discurso de ódio constante que procura transformar em monstros inimigos tudo aquilo que não é o benfica?

Ontem aconteceu uma tragédia, uma pessoa foi brutalmente assassinado por ter uma camisola do Sporting vestida. Os órgãos de comunicação social tentam minimizar a coisa dizendo como "foi um italiano" ou "membro de uma claque" mas nenhuma dessas adjectivações supera aquilo que ele realmente era: uma pessoa.

Durante o dia, Bruno de Carvalho tentou acalmar as águas mas Luis Filipe Vieira, no final do jogo, veio incendiar ainda mais com um completo discurso de ódio. Discurso esse que não me admirava nada que tivesse vindo numa das famosas "cartilhas".

"Sabemos que provocação gera violência e sabemos quem tem contribuído para isso.", Luis Filipe Vieira

Em vez de pedir desculpa em vez dos adeptos que representa, escolhe alimentar ainda mais o ódio. É uma pena sermos tão civilizados enquanto Sportinguistas. Esta frase do Vieira também me soa a provocação e ninguém lhe passou com um carro por cima.

Vieira foi a nossa casa insultar-nos a nós e ao nosso Presidente. Mas a culpa disto é nossa! Fomos permitindo ao longo dos anos que certas atitudes fossem acontecendo e apenas dizíamos "pois, mas nós somos diferentes" e "assim temos moral para criticar".

Eu não quero a moral para criticar. Eu queria era que não tivessem acontecido dois homicídios de Sportinguistas às mãos de benfiquistas.

Ainda ontem demos um exemplo de civismo que se mostrou errado. Recebemos os que apoiam e defendem assassinos na nossa casa e expusemos famílias Sportinguistas ao mesmo risco que o pobre Rui Mendes sofreu.


Vejam bem como estes tipos no video dizem "2-0" para a câmara numa clara alusão aos dois adeptos do Sporting assassinados. Não foi o Sporting que começou as provocações e muito menos foram os Sportinguistas que mataram inocentes.

É bom que os Sportinguistas abram os olhos. Não podem brincar connosco. Somos perseguidos, tal como os judeus, por sermos "diferentes". Não nos podem ameaçar e, muito menos, nos podem matar. O medo não mandará no Sporting Clube de Portugal!

Até ao fim desta época e durante a próxima, estejam vigilantes. Actuem sempre que tentarem fazer Farinha connosco. Denunciem, lutem pelo Sporting. Não se preocupem com a "moral para criticar". Preocupem-se em chegar vivos ao final da época.





2017-04-21

Apanham cães na rua, matam-lhes a fome e metem-nos a ladrar por eles


Há três anos a SIC publicou uma reportagem sobre a vida de António Veloso. Nessa reportagem viu-se o quão baixo tinha descido na sua vida. Chegando mesmo a não ter dinheiro para comer. Viveu à conta da bondade das pessoas e aproveitou-se do seu passado como jogador para capitalizar simpatias.



É deste tipo de gente que o Estado Lampiânico se alimenta. Vão buscá-los ao seu momento mais baixo, dão-lhes de comer e uma camisa lavada e metem-nos a falar por eles.




Tornam-se assim donos delas. Vivemos num tempo de futebol hipócrita dentro das quatro linhas e caridadezinha fora delas de forma a limparem a imagem. No fundo é como o tal email da APAF. Pode ser que dê jeito mais à frente...





Quem quer ser campeão, sobe ao poleiro!



"My greatest challenge is not what's happening at the moment, my greatest challenge was knocking Liverpool right off their fucking perch. And you can print that.", Alex Ferguson sobre a luta pelo título 2002/03 e os seus rivais

Quando Fergie chegou ao Manchester United percebeu muito bem para onde apontar agulhas. Na altura o Liverpool contava com 16 títulos contra 8 do Manchester United.

Nos primeiros anos até houve uma grande diferença entre Liverpool e Manchester United. Mas Ferguson levou água ao seu moínho e conseguiu fazer aquilo que faltava para o Manchester United se tornar um clube histórico: tirar o Liverpool do seu poleiro!

E tirou-o com tanta força que o Liverpool nunca mais se endireitou.

Pouco importa que o Liverpool se queixe agora das tácticas do Ferguson, o objectivo foi cumprido. O Liverpool caiu e o Manchester United agarrou o lugar do poleiro. O Manchester não quis ser o campeão da superioridade moral e da verdade. Quis ser campeão de Inglaterra e... foi!

É a prova que no futebol, como na vida, não há espaço para dois galos no mesmo poleiro. Muito menos há espaço para ir partilhando o poleiro.

Neste momento o poleiro é do benfica e, se nós queremos ser campeões, temos que ir lá acima e derrubá-los e meter lá a nossa bandeira. Não podemos ser vencedores sem transformar os outros em derrotados.

Ninguém, nunca, nos irá dar nada. Ninguém, nunca, nos irá facilitar nada! Teremos sempre que ser nós a ir lá buscar aquilo que se torne nosso! Nunca por direito, sempre por conquista!





2017-04-20

O grande erro do presidente da APAF


O presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) emitiu um comunicado para esclarecer uma polémica levantada pelo diretor de comunicação do FC Porto no Porto Canal.

Do extenso comunicado destaco a seguinte frase:
"Na boa fé, com que sempre pautei a minha conduta, pessoal e profissional, negligenciei momentaneamente, o facto de que o futebol português tem sido, por estes dias, um local feio para estar."
Realmente, o grande erro do presidente da APAF foi este. Agiu de boa fé. No futebol português não há espaço para "boas fés".

É que enquanto uns agem de boa fé, outros escrevem emails com:
"O presidente da APAF não é de confiança total [...] mas não é bom tê-lo contra nós porque vai ser testemunha num processo nosso", num alegado email de Paulo Gonçalves

Luciano não percebeu que o problema não foi o pedido de bilhetes mas sim o que lhe queriam fazer utilizando esse veículo.

É bom que aprenda, caro Luciano Gonçalves. No futebol não há boas fés. Há gente que está sempre pronta a cobrar um favor. Imagine quanto é que não iam custar à sua integridade estes cinquenta bilhetes...

Também aproveito para perguntar à FPF quanto tempo mais vai demorar até abrir um inquérito a alguém responsável no benfica para questionar o que tinha a ganhar com o tal testemunho no tal processo.



Está encontrado o ladrão de serviço: Soares Dias


Soares Dias, o tal que nos roubou violentamente em Guimarães, será o árbitro do derby do próximo Sábado.

Espero bem que nenhum Sportinguista lhe deixe as orelhas frias!

Os delegados ao jogo serão Manuel Castelo e Rui Manhoso. Que nome tão apropriado, não é?





É hora de vencer o tirano


O que faria um judeu se estivesse na mesma sala que Adolf Hitler e tivesse uma arma na mão?
Toda a gente esperaria que ele perdoasse e saísse da situação como o Better Man. Tal como esperam que o Sporting aceite todo o mal que lhe fazem.

Mas, e se na sua cabeça estivessem frescas as memórias da sua família a entrar para o comboio? Se as suas costas ainda latejassem das coronhadas que levou enquanto carregava pedras na lama? Se na sua retina ainda estivesse impressa a imagem do corpo do seu filho morto no topo de uma pilha de outros corpos?

Com a devida distância, nós somos esse judeu. Ainda temos bem fresco na memória o peito de Rui Mendes a sangrar e a maneira como o grupo não organizado de adeptos do benfica o celebra. Ainda temos bem presente na memória os golos legais que nos invalidaram, os penalties que não nos assinalaram, os vouchers que os árbitros recebem, os telefonemas, os ataques ao nosso Presidente, as cartilhas, os ataques nos jornais, as malas e tudo o que mais há de errado no futebol português.

Sábado, em campo, vamos enfrentar um tirano. Vamos dar a outra face? Ou vamos aproveitar a oportunidade para acabar com ele de vez?

Queremos um Sporting livre e que possa lutar pelo título como os outros participantes do campeonato ou queremos um campeonato onde há um vencedor pré-definido e onde os outros contendores se limitam a jogar a sua sorte para onde o ditador o permitir?

Sábado joga-se também o principio da próxima época. Ganhando Sábado, começamos a ganhar o futuro porque o tirano caiu. Perdendo... bem, vocês sabem o que aconteceu ao judeu...



2017-04-19

O vergonhoso processo instaurado pela Federação ao Sporting.


O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol decidiu instaurar um processo disciplinar ao Sporting na sequência de uma queixa de dois clubes (Leixões e Freamunde, ao que apurámos) por alegada utilização irregular de Ryan Gauld e André Geraldes na equipa B dos leões.

Este processo não é mais que uma reles retaliação da Federação e de um par de clubes desesperados para não descerem na secretaria.

A lei é bastante clara: Um jogador não pode ser utilizado por mais do que dois clubes da mesma zona confederação nas competições que compõe uma época. Leixões e Freamunde alegam que o empréstimo oi rescindido unilateralmente, o que é uma falácia pois tanto o Sporting como o Vitória de Setúbal estiveram de acordo no que toca à rescisão do contrato de empréstimo.

Porque fizeram isto? É semana de derby que pode decidir o campeonato, não é? Estamos perante mais um caso patético em que se tenta diminuir a imagem do Sporting Clube de Portugal a qualquer custo. Falta saber se a Federação tem a coragem para acabar com isto atempadamente ou se vai deixar arrastar enquanto der jeito.

É hora dos Sportinguistas se unirem em torno da equipa! Não podem brincar assim connosco!



Grandes demais para vos ceder.


Nos últimos dias temos visto uma campanha (mais uma...) que visa diminuir a importância do Sporting no panorama desportivo nacional. A ideia desta campanha passa por fazer parecer que o nosso campeonato é apenas ganhar ao benfica.

A verdade é que o Sporting Clube de Portugal tem que entrar em todos os jogos para os ganhar! "Ganhar ao benfica" é apenas uma derivação de "ganhar todos os jogos em que se participa".

Se o benfica tem medo de ir a Alvalade por causa da qualidade e da dimensão do Sporting, compreende-se. Agora o que não se compreende é esta constante diária de andarem a tentar ganhar os jogos fora das quatro linhas.

Já vai sendo hora de terem alguma vergonha na cara...



2017-04-16

Derby cada vez mais importante


O Sporting Clube de Portugal é o melhor e maior clube do mundo. Isso é indesmentível. Tem, em si, uma das maiores e mais fiéis massas adeptas de que há registo mesmo não conquistando o título de campeão nacional há quinze anos.

É certo que a grandeza de um Clube não se mede só pelo número de títulos mas é indesmentível que também esse factor deve ser considerado.

No próximo Sábado, o Sporting vai receber o seu centenário rival. E os três pontos são vitais para manter o Sporting na luta até ao fim.

Às vezes podemos esquecer-nos de que estamos a falar de um Clube centenário, com história no desporto deste país e com responsabilidades para com a Sociedade. A prova que nos esquecemos demasiadas vezes são os nossos resultados nos últimos dez anos.

2006/07 - 2º lugar, a 1 ponto do 1º - Porto
2007/08 - 2º lugar, a 14 pontos do 1º - Porto
2008/09 - 2º lugar, a 4 pontos do 1º - Porto
2009/10 - 4º lugar, a 28 pontos do 1º - Benfica
2010/11 - 3º lugar, a 36 pontos do 1º - Porto
2011/12 - 4º lugar, a 16 pontos do 1º - Porto
2012/13 - 7º lugar, a 36 pontos do 1º - Porto
2013/14 - 2º lugar, a 7 pontos do 1º - Benfica
2014/15 - 3º lugar, a 9 pontos do 1º - Benfica
2015/16 - 2º lugar, a 2 pontos do 1º - Benfica

Alguns destes últimos a distâncias vergonhosas do primeiro lugar. E ainda que em 2006/07 tenha havido a tal mão do Ronny e o ano passado o benfica tenha sido levado ao colo, o Sporting e os Sportinguistas têm obrigação de querer mais que estes últimos dez anos. Querer mais que os outros, ir mais longe que os outros... Temos que ter mais fome que os outros!

A próxima época também se começa a definir na próxima jornada. Ainda há uma esperança de alcançar o segundo lugar e o consequente apuramento directo para a Liga dos Campeões. Acontecendo podemos começar a época mais tarde e focar-nos logo num arranque forte no campeonato.






2017-04-15

Os auto-golos que ajudam a ganhar campeonatos


Luís Martins abriu ontem o marcador no estádio da luz. Um golo à ponta de lança mas... na própria baliza. Mas este não é o primeiro auto-golo de que o benfica benefícia esta época. Já foram quatro, três deles com o marcador a zeros. Logo, três vitórias do benfica esta época nasceram de auto-golos.

Logo à terceira jornada, o benfica tinha apenas 4 pontos e Aly Ghazal tratou de abrir o marcador no Nacional - benfica aos 17 minutos num auto-golo. Sem ter ninguém do benfica à sua volta, conseguiu enfiar a bola dentro da sua própria baliza. O Nacional empatou o jogo aos 64 minutos por Tobias Figueiredo mas o benfica acabou por vencer por 1-3 graças a mais algumas infelicidades da defesa do Nacional. Esta vitória permitiu ao benfica sacudir a pressão que se estava a acumular na equipa após o empate caseiro da equipa.

Já ontem foi a vez de Luís Martins, jogador formado no benfica, descomplicar aquilo que ameaçava tornar-se um jogo difícil para o benfica. O Marítimo já tinha vencido na primeira volta e ontem o jogo tomava contornos de empate quando, sem pressão, Luís Martins introduz a bola na própria baliza. A partir daí foi um descalabro na defesa e o benfica acabou por vencer tranquilamente por 3-0.

O quarto auto-golo foi marcado por Fábio Espinho no empate a três que o Boavista conseguiu na luz. Pareceu-me completamente acidental mais teve o condão de ajudar o benfica a recuperar do 0-3 que existia ao intervalo.





Luís Aurélio

Para mim, é o caso mais flagrante. Abriu o marcador, também no estádio da luz, no benfica - Feirense. O jogo estava disputado e o benfica ainda não tinha conseguido marcar. Aos 35 minutos, Luís Aurélio disse "não se preocupem" e meteu-a lá dentro. É claro que pode ter sido uma infelicidade. Uma infelicidade tão grande como aquela que teve no momento em que deu um pontapé na cabeça de Adrien Silva e o fez abandonar o terreno de jogo com uma protecção de pescoço. Infelicidades atrás de infelicidades. Até as fotos são infelizes...


Reconhecem aquele rapaz ali à esquerda? Sim, é Luís Aurélio. Cada vez que vejo esta foto também me lembro da frase "pessoas certas no lugar certo". Nem sempre tem que ser na Federação, não é?

Portanto, neste momento, o benfica é a equipa com menos penalties contra, que menos cartões viu e com mais auto-golos a favor. Coincidências, infelicidades, o que lhe queiram chamar... Mas são estes factores que irão atribuir o título a uma equipa que não joga uma beata.






Vitória em Setúbal sem contestação


É sempre dificil jogar contra equipas cujos presidentes estão perto da esfera de influência do benfica. De certeza que todos nos lembramos como José Marinho esteve envolvido nas eleições do Vitória de Setúbal.

Os jogadores do Vitória de Setúbal entraram muito motivados e meteram em campo o que tinham e o que não tinham nos primeiros minutos de jogo. Felizmente o Sporting conseguiu sacudir essa pressão inicial e avançou para uma vitória incontestável. Espero que o Schelotto não se esqueça de tirar o João Carvalho do bolso antes de ir meter os calções a lavar.

Um dos pontos altos do jogo foi ver Bruno Varela, o campeão do anti-jogo, a dar um frango descomunal. Há jogadores que entram em campo tão carregados que até têm dificuldades em se mexer, não é? Mérito também para Gelson Martins que nunca desistiu do lance e foi mais rápido que os defesas do Vitória.

Mas o Sporting não se ficou pelos serviços mínimos e dois minutos depois já via o árbitro João Pinheiro transformar uma grande penalidade num livre directo. Talvez João Pinheiro não saiba que a falta deve ser assinalada onde termina e não onde começa. Ou então ficou a pensar que o Gelson não fala melhor português que o Samaris e, como tal, achou que não devia marcar. Um erro gravissimo que podia ter tido influência no resultado se o Sporting não fosse competente.

João Pinheiro, para além da grande penalidade não assinalada, também conseguiu mostrar um cartão amarelo a Marvin Zeegelaar na primeira falta que este cometeu. É obra!

William fez o 2-0 num canto muito bem marcado por Bruno César e Bas Dost fechou a marcha do marcador após uma deliciosa assistência de trivela de Alan Ruiz.


Nos jornais, o destaque merecido para Bruno César. Um jogador que tinha tudo para ser um "patinho feio" mas insiste em calar todos os críticos! Este também se chama César e ajuda a resolver jogos mas fá-lo dentro de campo. Maravilhoso!








2017-04-14

Quem castrou os jornalistas?



Chegámos ao grau zero do jornalismo. Chegámos? Talvez já o tenhamos ultrapassado. O que aconteceu ontem na conferência de imprensa de Rui Vitória foi surreal a todos os níveis.

Está presente na mente de todos o soco que Samaris deu a Diego Ivo. Questionado sobre a situação, Rui Vitória respondeu com:

"Estamos a falar de um profissional de excelência, um grande profissional que está cá há 3 anos, que é internacional, que ao fim de meio ano falava melhor português do que muitos portugueses."
Portanto, para Rui Vitória, o facto de um "grego falar melhor português que alguns portugueses" é suficiente para justificar uma agressão a um colega de profissão? Perante esta situação podemos depreender que se o tal jogador do Canelas não trocasse os "que" por "k" nos seus posts de facebook já seria inocente?

Na sala de imprensa, nenhum jornalista teve a coragem de contestar Rui Vitória. Como não têm a coragem de escrever que algo de muito podre se passa no futebol nacional.
 “Journalism is printing what someone else does not want printed: everything else is public relations.”, George Orwell
A última coisa inesperada que aconteceu no futebol nacional nos últimos 20 anos foi a morte de Miklós Fehér. Tudo o resto não passa de uma sucessão de acontecimentos que parecem ser combinados à luz das Janelas desta vida. E os jornalistas deste país, em vez de questionarem a mais simples das perguntas, agem como cachorros castrados a abanar a cauda perante o verdadeiro dono.

"Serei tudo o que disserem
por inveja ou negação:
cabeçudo dromedário
fogueira de exibição
teorema corolário
poema de mão em mão
lãzudo publicitário
malabarista cabrão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!"
, Ary dos Santos

Ary dos Santos não queria ser poeta castrado. Já os jornalistas de hoje em dia é precisamente o contrário.

São cartilhados de mão em mão,
São lãzudos publicitários,
São cabeçudos dromedários,
São malabaristas e um ou outro cabrão
Foram os Jornalistas Castrados? 
Como dizer que não?




2017-04-13

Para quem ainda não tinha percebido como funciona a máquina de propaganda


Numa altura em que estão debaixo de fogo por causa da cartilha de ódio que partilham com comentadores e jornalistas, conseguem que nenhum jornal desportivo pegue a sério no assunto.

Numa altura em que são desmascarados no apoio ilegal a grupos de adeptos não organizados, conseguem arranjar uma polémica sobre um cântico qualquer dos super dragões.

Numa altura em que Luisão devia ter sido expulso e Samaris agride a soco um colega de profissão, os Sportinguistas dão troco à conversa do cântico e esquecem-se que daqui a 2 semanas eles vão jogar a Alvalade com dois jogadores que não o deveriam poder fazer.

O membro mais importante dos regimes de propaganda é o povo que papa tudo o que vê e se deixa ir na cantiga. Nós estamos a fazer um excelente trabalho nesse aspecto! Continuamos a reagir aos temas que eles deitam cá para fora em vez de criarmos o nosso próprio ritmo para a dança.

Já o ano passado foi igual. Em vez de discutirmos as arbitragens que nos afastaram do título andámos a brincar à idade do Renato.

Somos os ratos que seguem o flautista de Hamelin. Eles tocam a música e nós seguimos, cegos, em direcção ao abismo. Só nos apercebemos do que aconteceu quando a câmara abre o plano e vemos já o nosso corpo a jazer lá em baixo.

Esta discussão que vejo Sportinguistas a ter sobre cânticos de uma claque do Porto só mostra o quanto nos falta em "tesão" para querermos ver o Sporting ser campeão! Estamos transformados nuns eternos perdedores por culpa própria. Porque amolecemos.

Enquanto não mudarmos, iremos ter sempre excelentes argumentos para explicarmos porque é que não somos campeões mas eles, ou o Porto, é que irão levantar o caneco. Já vai sendo hora de abrir os olhos. Já vai sendo hora de sujar as mãos.



2017-04-12

Realfutebolitik


Acusações de doping, árbitros que denunciam telefonemas para os beneficiarem, vouchers, tráfico de droga nas instalações do clube, jogo da mala e jornalistas briefados. É este o resumo das últimas duas épocas do benfica.

São escandâlos suficientes para destruir qualquer direcção no mundo. Mas não manda abaixo o benfica. Porquê?

Porque vivemos uma fase de Realfutebolitik. O povo é mantido entretido com recurso a futebol. Ninguém quer o acicatamento dos tais seis milhões que o Rui Vitória tem às costas, não é?

Eles não tiveram medo de ir lá abaixo ao fundo da lama mexer em toda a merda que havia disponível para instalar o seu sistema. Já nós, cá em cima, vamos acusando de dedo apontado mas nem a ponta do dedo que usamos para apontar queremos sujar.

As pessoas certas estão no lugar certo. As vozes certas estão nos microfones certos (alguns dos quais pagos com dinheiros públicos). Os redatores certos estão nos lugares certos. Vale tudo para que o andor não pare. Nada irá atrapalhar esta procissão.

Enquanto assim for eles serão tetra, penta, hexa e o que mais estiver para vir. Os Sportinguistas, se querem ser campeões, têm que abrir os olhos e deixar de ser os enconados que são. Monstrem a força dos seus números.



2017-04-11

Vitor Pataco - Pouco competente ou Demasiado benfiquista?


Na passada noite, Nuno Saraiva trouxe a lume um assunto de extrema gravidade. João Rosa, responsável pelos serviços, emitiu um parecer em que condenava a benfica sad por apoio ilegal a grupos de adeptos não organizados e legalizados. Contudo, três meses depois, ainda não havia notificação do condenado porque faltava uma assinatura. Essa assinatura era do vice-presidente do IPDJ, Vitor Pataco.

Foram cerca de 19 autos levantados pela PSP, alguns dos quais do início de 2015, que ficaram presos numa gaveta à espera da tal assinatura. O próprio Sporting já se tinha manifestado oficialmente através do blog oficial Verdade Leonina (LINK) contra as claques ilegais do benfica.



Portanto, numa altura em que Vitor Pereira ainda era Presidente da Liga, havia um vice-presidente no Instituto Português do Desporto e da Juventude que se permite a não assinar um despacho que condena a benfica sad.

Os acordãos podem ser consultados aqui (LINK).


Mas quem é Vitor Pataco?

Vitor Manuel Batista Pataco, foi nomeado para o cargo a 1 de Junho de 2016. E no despacho publicado em Diário da República (2.ª série — N.º 119 — 23 de junho de 2016) vem o seu currículo. Neste currículo podemos ver que, para além de ser um "director crónico", foi Director geral da sport lisboa e benfica multimédia e gestor de negócios da Sportinveste Multimédia.






Palavras para quê? Por muito competente que possa ser Vitor Pataco, fico sempre com a sensação que é ainda mais benfiquista.






A diferença entre informar e briefar


O Tu Vais Vencer teve acesso à tal cartilha que o Estado Lampiânico acusa o Sporting de espalhar.

Para começar, não passa de um email enviado por alguém do Sporting com 10 pontos. Todos os 10 pontos dizem apenas respeito ao Sporting e em nenhuma parte do texto se faz ataques pessoais a terceiros. Vamos ponto a ponto. No final, teçam as vossas próprias conclusões.

O email, tal como deve ser sempre, começa com boa educação
Boa noite a todos,

Junto enviamos algumas notas referentes a diversos pontos, desde o Futebol às Modalidades, passando por iniciativas e investimentos:

  Já agora, o documento do benfica começa com:
Recomendo a leitura da entrevista do Dr. Domingos Soares de Oliveira ao Jornal Record de hoje – Uma lufada de ar fresco e LIMPO no futebol português.
Nota-se bem a maneira como cada um fala para os seus, não é?

O documento enviado pelo Sporting data de 10 de Junho, altura em que se falava sobre as saídas de João Mário, Slimani e outros assuntos próprios da pré-época. O que está a negrito e itálico é transcrito do email sem qualquer edição.

1 – João Mário

O João Mário, desde que esta Direcção tomou posse, já renovou duas vezes. A última na época passada. Tem contrato até 2020-2021. A Direcção tem demonstrado grande apreço e confiança no talento do jogador. Não existe pressa em definir mais renovações. O atleta deve estar concentrado no seu objectivo imediato: representar a Selecção Nacional e vir confiante para uma nova época que queremos cheia de conquistas. A entrevista do pai é uma precipitação do mesmo. O pai e o agente Kia já estiveram em Alvalade antes da entrevista e tudo o que foi dito não corresponde à verdade (não serem recebidos); não ajuda o jogador e não faz sentido. O SCP e o seu Presidente decidiram, pela estima que têm pelo jogador, ignorar o conteúdo da entrevista e salvaguardar o seu jogador. A gestão de renovações tem sido bem feita e de forma racional. O mesmo acontecerá se um dia tivermos de fazer a terceira renovação do João Mário, assunto que agora não se coloca visto fazerem poucos meses da última renovação. 

Neste parágrafo, o Sporting diz que a prioridade de um jogador ao serviço da selecção é a selecção. Diz também que tem imensa estima pelo jogador e, como tal, sugere que se ignorem as entrevistas dadas pelo pai e pelo agente que em nada iriam beneficiar um possível negócio. Isto sim é uma posição institucional correcta. Os activos do Sporting a serem protegidos de polémicas e apoiados nos momentos importantos da sua carreira. Se o Sporting entrasse em "bate boca" com pai e empresário, o jogador teria a mesma estabilidade emocional que o permitiu conquistar, em conjunto com a restante selecção, o EURO2016?

2 – Slimani 

O Slimani tem contrato com o Sporting até 2020. Renovou a época passada e é um dos jogadores mais acarinhados. A tática de colocar notícias pelos agentes não funciona no Sporting. Slimani sabe o que queremos dele e o que queremos para ele. Não está à venda e a nossa vontade é que fique. A gestão desse dossier ficou resolvida (e bem), faz poucos meses, com a renovação. Tudo o resto será um assunto interno que será resolvido no tempo certo e não pela pressão do agente. Entendemos esta época de mercado e da necessidade de notícias, sabemos da forma de agir de certos agentes que tentam criar pressão pública e que aconselham mal os seus atletas. Tendo contrato, sendo um dos jogadores mais bem pagos do plantel, sendo acarinhado, sentindo se bem, tudo o resto acontecerá de forma natural. A convicção firme dos dirigentes é que ele vai ser connosco campeão na próxima época.

Mais uma vez, Bruno reforça o desejo de manter no Sporting os seus talentos. Infelizmente não foi possível segurar Slimani porque apareceu uma oferta realmente competitiva que fez o Sporting vendê-lo por CEM vezes o valor de compra.

3 – Schelloto

O Sporting CP já exerceu a sua opção onde já estavam definidas as condições do atleta caso o fizesse. Assunto totalmente resolvido. Contrato até 2019.


4 – Entradas de jogadores

O Sporting CP não está comprador nem vendedor. Mas se surgir um bom negócio de um jogador que possa acrescentar ainda mais qualidade ao plantel será equacionado. Não existem posições específicas que estejamos a ver. Temos grandes GR, uma defesa fortíssima, um meio campo de luxo e um ataque muito forte reforçado com dois grandes jogadores jovens de talento reconhecido: Spalvis (um 9 fortíssimo e com faro de golo - bom de cabeça e pés) e Alan Ruiz (um talento que como segundo avançado resolve muitos jogos; um remate poderoso, tecnicamente muito evoluído e fortíssimo nas bolas paradas).


5 – Saídas de jogadores

Não se vislumbra saídas dos titulares indiscutíveis. O Sporting CP não está vendedor. Dos restantes jogadores estamos atentos às ofertas de mercado

Exemplos muito falados erradamente:
. Naldo fica no plantel
. Paulo Oliveira fica no plantel
. Paulista fica no plantel
. João Pereira fica no plantel 


6 – Futebol feminino

Na próxima época o Sporting CP regressa ao futebol feminino, 21 anos depois, nos escalões seniores, Sub-19, Sub-17 e escolinhas.

Este regresso é para homenagear os clubes que tem feito um trabalho fantástico no futebol feminino como por exemplo o Fofo. 

Temos ido contratar atletas portuguesas da Selecção Nacional. Muitas delas estavam a jogar no estrangeiro, por exemplo Bélgica e Espanha, e queremos trazer estes talentos de volta a Portugal e ajudar a nossa Liga a crescer ainda mais. É um tributo ao futebol feminino.

É um projecto à Sporting - ambicioso e com talento. Queremos ajudar a Liga e lutar por todos os títulos em disputa. 


7 – Modalidades 

Vão sendo conhecidos os reforços da próxima época.

É um reforço de 3 milhões nas modalidades que vai trazer um forte acréscimo de qualidade às mesmas.

Alguns exemplos:

7.1. O Futsal, que ainda este ano nos dará mais uma alegria de ser campeão (após já ter vencido a Taça de Honra, a Taça da Liga e a Taça de Portugal), para o ano quer revalidar todas estas conquistas e disputar a conquista da UEFA Futsal Cup. 

7.2 O Andebol começa a mostrar os seus reforços com a vinda do guarda redes da Selecção da Croácia: um fabuloso GR de 23 anos, com 2,3 metros, Matej Asanin e Carlos Ruesgas um internacional da Selecção da Espanha, vindo do Barcelona. São reforços habituados a jogar ao mais alto nível no Andebol Mundial. Mais estão a caminho e deste nível.
O objectivo é a conquista de todos os títulos nacionais (última vez campeão 2006) e a Taça Challange (ganhamos uma em 2010 sendo o 1 clube português a conseguir).

7.3.  Atletismo – após a conquista do título europeu o reforço vai continuar, pois queremos manter as conquistas nacionais e europeias. A preparação da próxima época já reflete estes objectivos.

7.4. Hóquei em patins – De volta à Liga Europeia 28 anos depois (última vez 1988), o Sporting CP manteve a sua equipa base renovando com os seus atletas e vai apresentar vários reforços de qualidade mundial. Atletas habituados a Liga Europeia e as grandes conquistas. Os objectivos são a conquista de títulos nacionais e europeus, desde logo a Liga Europeia.


8. Investimento em cerca de 4 milhões em obras no Estádio e na Academia para reforçar as condições do futebol profissional e de formação. Novos tapetes com renovação de todo o sistema de drenagens (estádio + 2 academia) , novos campos para ampliar a quantidade já existente na academia (+1), obras profundas nas infraestruturas desde iluminação, edifícios, gabinete de Alto Rendimento - material e infraestruturas - gabinete para o estudo e desenvolvimento individualizado de cada atleta do profissional à formação.


9. Investimento de cerca de 500k no multidesportivo – com essas obras a estarem em curso dando condições de excelência aos utentes, atletas das modalidades e atletas olímpicos.


10. Missão Pavilhão – um sucesso que termina hoje, dia 10, dia em que o antigo estádio fazia 60 anos. O último estádio leonino com pavilhão. Mais de 22000 sportinguistas se juntaram nesta missão/objectivo de todos. Uma obra imponente e marcante para a cidade de Lisboa e para todos os Sportinguistas. Um sucesso que vai ser replicado em breve em outras iniciativas como colocar todas as cadeiras de Alvalade verdes.



Alguma duvida adicional ou tema não focado basta mandarem e-mail, sms ou telefonarem.
Forte abraço,
Bruno de Carvalho

Por fim, Bruno de Carvalho despede-se cordialmente de todos os destinatários do email e coloca-se à disposição para qualquer esclarecimento de dúvidas.

E são estes os 10 pontos cobertos pelo email de 10 de Junho enviado por Bruno de Carvalho para um conjunto de comentadores Sportinguistas. Um discurso coerente que acertou em muito do que previa e falhou em alguns casos. Um discurso sem hipocrisia com zero palavras de ódio e zero incentivos à violência. Um Presidente e um Sporting focados na sua própria casa.

Passamos a vida a dizer que somos diferentes. Como se fosse necessário. Basta pegar no caso mais mediático da última semana e comparar um documento de 33 páginas recheado de ódio e num email com uma/duas páginas onde se fala do estado do Clube. Eles falam sessenta e duas vezes em Bruno de Carvalho, nós falamos nas nossas modalidades e no nosso pavilhão. Eles querem lançar a confusão, nós esclarecemos sobre o que se passa dentro da nossa casa. Eles atacam-nos a nós e tudo o que mexe, nós falamos de desporto. Querem maior diferença que essa?









2017-04-10

Amanhã serão despedidos jornalistas?


O que irão fazer os accionistas de meios de comunicação quando/se amanhã aparecerem nomes de jornalistas seus na lista de distribuição da cartilha?

Haverá coragem para analisar cada artigo de opinião?
Haverá coragem para os demitir por quebra de confiança?
Haverá coragem para lhes tirar a carteira de jornalista por quebra do código deontológico?
Ou será como nos Panama Papers?



Somos todos Jane Goodall


No futebol português deparamo-nos com vários fenómenos do mundo animal que só por si merecem ser analisados. Infelizmente estes últimos dois anos têm sido acontecimentos atrás de acontecimentos que, por si só, precisavam de uma equipa de investigação e análise dedicada vinte e quatro horas por dia.

Neste post vou-me focar nos primatas. Não pretendo ofender nenhum primata neste post mas temos que nos lembrar que um primata pode pesar até duzentos quilogramas como alguns elementos do nosso futebol.

Um primata tipicamente controla o seu território de forma astuta. Numa espécie de sistema patriarcal, o querido líder primata dá algum poder a quem lhe está imediatamente abaixo de forma a manter os seus inferiores felizes e controlados. Esses inferiores ainda não têm acesso às tecnologias da informação e, por isso, delegam a primatas menores essa tarefa. Uma espécie de pirâmide a que chamam de "estrutura".

Graças ao polegar oponível, o primata consegue facilmente carregar malas que entrega a outros animais com os quais mantêm uma relação de simbiose. O chamado quid pro quo do reino animal. Como, por vezes, uma mala não é suficiente para obter o benefício, é então designado um primata honorário para liderar a os animais em questão.

Como a vida na selva poderia ser complicada e obrigaria a lutar pela sobrevivência. os primatas construiram o seu zoo pessoal. Um zoo muito dinâmico onde, por vezes, entram carrinhas com um pó estranho. Mas, ao que apurámos até ao momento, o querido líder primata é alheio a tais carrinhas e chegou-se a emocionar quando confrontando com a sua existência.

Nesse zoo têm uma aldeia própria onde recebem os tratadores para estes perceberem que nenhum outro animal pode ser posto acima do primata. Por vezes o tratador está longe, então o chefe dos tratadores liga-lhe e diz-lhe para ter calma no jogo dos primatas pois nada os pode afectar.

Neste momento, os adeptos do Sporting são uma espécie de Jane Goodall a analisar os primatas a brincarem com fezes. Vemos como eles não têm medo de borrar a própria mão se isso permitir atirar o excremento à cara de uma possível ameaça. Já nós vamos registando o que eles fazem e dando-lhes abracinhos. Enquanto este comportamento continuar, nunca triunfaremos na selva.





Benfica: a violência como modo de vida


Quando uma pessoa comete um crime por mera maldade e não sofre consequências, a tendência é que o delito volte a ser repetido. Esta semana confirmou-se essa tendência.

Uma semana depois de agredir Alex Telles, Samaris não perdeu tempo e deu outro gancho de direita em Diego Ivo.

Foi uma agressão violenta aos olhos de toda a gente. Como Diego Ivo não desmaiou, Samaris não vai ser hoje apresentado a tribunal e muito menos será impedido de entrar em recintos desportivos. Podia dizer que esta é a maior prova da podridão do nosso futebol mas tenho a certeza que daqui a duas semanas vou ser confrontado com uma ainda maior.

"Ouvi certas coisas que me deixaram muito triste. Não tenho receio de contar... O Jonas disse-nos que o Moreirense é uma equipa pequena, uma equipa de merda, que tinha mesmo de descer de divisão. Foi demasiado triste o que aconteceu e daí toda a nossa revolta no final da partida"
, Diego Ivo sobre Jonas
Este tipo de atitude não é nova. Já Javi Garcia tinha tido uma atitude racista para com Alan. No clube da luz, tudo é possível e sem consequências.

"Chamou-me preto de merda"
, Alan sobre Javi Garcia em 2011/12

Para a semana, Samaris vai continuar em campo e Tiago Martins vai continuar a arbitrar jogos de futebol. Impunidade total! Vitória de quem domina o futebol português! Para que todos percebamos bem a figura de otário que fizemos quando discutíamos Markovics e Elias. O problema não são os jogadores. Porque se o Elias pudesse dar um soco em alguém sem qualquer consequências ou se o Rúben Semedo pudesse fazer entradas violentas por trás como o Luisão, éramos líderes destacados.


Mais engraçado ainda foi ver imediatamente alguns benfiquistas a dizer que as imagens que estavam a ser utilizadas para incriminar o Samaris tinham tinham direitos de autor e, como tal, deviam ser removidas do ar. Não vos cheira àquele mofo salazarento? Ou, pior, a 1933?

Somos demasiado sérios para este futebol. Demasiado sérios para fazer malas. Demasiado sérios para comprar guarda-redes adversários. Demasiado sérios para corromper árbitros. Demasiado sérios para sermos campeões!






2017-04-09

Samaris agride jogador do Moreirense a soco


Ocorreu durante o Moreirense - benfica de hoje. Mais uma agressão que passou impune por parte de jogadores do benfica.

Desta vez foi Samaris que aproveitou a confusão perto do final do jogo para dar um soco num jogador do Moreirense. O que será que vai acontecer desta vez? Mais um processo arquivado? Até quando a impunidade irá prevalecer no futebol português para jogadores do benfica?

É esta atitude menos grave que a do jogador do Canelas na semana passada e que tanta tinta fez correr?

Este é o resultado da impunidade que tem vindo a ser praticada. Entram de pitons às pernas dos rivais, encostam cabeças a árbitros e dão socos a jogadores.

Vejam as imagens em baixo.
Mas a violência exercida pelos jogadores do benfica não se ficou por aqui! Ainda o relógio não tinha chegado aos 30 minutos de jogo e já Luisão tinha dado uma cotovelada na face de Dramé e, pouco tempo depois, esta entrada sobre Boateng.



Já a "falta"que originou o golo do benfica nunca existiu. Ou seja, neste jogo tivemos duas expulsões perdoadas a Luisão, uma perdoada a Samaris e um golo que nasce duma falta inexistente.

Não se deixem ir na conversa do colinho. Isto é o CONTROLO TOTAL da arbitragem. Não vai lá com boquinhas e cantiguinhas. Só lá vai com uma demonstração de poder.



Vitória clara, hat trick de Bas Dost e uma arbitragem habilidosa


O Sporting recebeu e goleou o Boavista por uns incontestáveis 4-0 com Bruno César (três assistências) a dividir as honras de MVP com Bas Dost (três golos). O outro nome inscrito na ficha de marcadores foi, o também já habitual, Alan Ruiz.

O Sporting apresentou um onze inicial muito semelhante ao da jornada anterior, poupando apenas Gelson Martins (por lesão). Para o seu lugar entrou Daniel Podence que não desiludiu e é, inclusivamente, o grande responsável pelo primeiro golo ao recuperar a bola num contra-ataque do Boavista, colocando-a imediatamente em Schelotto que assiste Alan Ruiz.

Houve ainda espaço para o regresso do capitão Adrien Silva à competição e para dar minutos a Geraldes e Campbell.

Arbitragem


O jogo não foi isento de casos mas, tal como na semana passada, acabámos por ser mais eficazes que o árbitro. A grande penalidade sobre Bruno César é, sem margem de dúvida, bem assinalada mas Manuel Mota pareceu excessivamente nervoso no momento. Antes disso, há uma expulsão perdoada a Edu Machado por falta grosseira sobre Bruno César. Seria o segundo cartão amarelo e, consequentemente, o vermelho.





Jogadores

Os jogadores com mais eficácia de passe ontem foram:
1º Adrien Silva com 94%
2º William Carvalho com 93%
3º Marvin Zeegelaar com 88%
4º Joel Campbell com 88%
5º Rúben Semedo com 87%

Os jogadores que mais desarmaram ontem foram:
1º Marvin Zeegelaar - 8
2º William Carvalho - 6
3º Ezequiel Schelotto - 5

Já vai sendo altura de acabar com os patinhos feios, não?










2017-04-08

A cartilha e os 'cartilheiros', por Rui Santos


Quando comecei a minha actividade jornalística há mais de 40 anos, primeiro como ‘colaborador’ (era assim que se chamava) e depois como profissional, havia um contacto directo com os protagonistas do jogo. Podíamos falar com os jogadores e os treinadores, e eram os dirigentes e presidentes que se manifestavam mais inacessíveis. Havia menos informação desportiva, ainda não tinha eclodido este fenómeno da internet que veio alterar, radicalmente, as nossas vidas (para o bem e para o mal), e os jornais conseguiam ser diferentes uns dos outros, porque cada qual – dependendo da argúcia do jornalista e da disponibilidade evidenciada, sobretudo, por jogadores e treinadores – publicavam o produto daquilo que conseguiam alcançar. O jornalista quase tinha acesso à porta do balneário, podia combinar entrevistas fora das instalações dos clubes, tudo com conhecimento oficial mas com respeito pela liberdade de cada um dos intérpretes e quem ganhava era o ‘consumidor final’ – os leitores, neste caso vertente. As entrevistas eram abertas e ‘disputadas’ e cada qual se responsabilizava por aquilo que fazia e dizia. Outros tempos e, nesse aspecto, melhores tempos, sem dúvida.

Este relacionamento foi-se perdendo a partir da década de 80, com agudização na década de 90, com origem na aproximação ao momento da generalização da imprensa (desportiva) diária, as conferências de imprensa foram ganhando espaço, a liberdade dos jornalistas foi-se tornando cada vez mais escassa e os jogadores, principalmente, mas também os treinadores (embora um pouco menos ‘escravizados’) são tratados como se não tivessem capacidade para gerir os seus próprios tempos de intervenção e aquilo que efectivamente pensam. Não foi culpa dos chineses, mas entretanto temos assistido aos descarregamento em quantidades inusitadas de pés-de-microfone e de várias ferramentas de controlo do pensamento livre, em forma de spins, assessores, coordenadores de cartilhas (para ser actual), etc., etc. Qual é a consequência? Uma dramática artificialidade, protagonistas plastificados e com chips encrustados, tudo em nome da ‘organização’ e do ‘pensamento único’, tudo em ambiente mui democrático mas também mui vergonhoso. Querem maior prova de inconstitucionalidade do que a lei da rolha que os clubes impõem aos seus jogadores?!…

Este ‘caso da cartilha’ é um sinal dos tempos, mas é também um sinal claro de como funciona o ‘teatro de operações’. Os clubes de futebol são talvez as organizações que mais depressa destapam as fragilidades do ser humano. Pelo que dão e pelo que fingem dar. E só se colocam nesse patamar – de patrocinadores do ‘pensamento único’ e organizado, nesta caso por Carlos Janela, que parece ter uma empresa para servir os seus clientes (palavras do próprio) – porque conseguem arranjar gente capaz de aceitar protagonizar esses infelizes papéis. Não venham eles dizer, agora, que se trata de um mecanismo natural, que pressupõe uma alta visão do que é a comunicação moderna, porque se assim fosse não teriam desmentido mais do que uma vez os rumores de que isso estava a acontecer. Havia uma percepção pública, sempre negada pelas partes envolvidas. O que significa que ninguém se sentia confortável nesse papel. Por alguma coisa seria.

Nos zappings televisivos era possível verificar com alguma constância os adeptos dos clubes/"comentadores" a questionar os seus interlocutores sobre a origem das mensagens. Quem é a melhor marioneta – és tu ou sou eu? Se este ‘joguinho’ fosse assumido pelos espadachins e se o coordenador dos espadachins não se quisesse fazer passar por ‘livre e independente’, ficando agora de apurar os réditos desta operação, podíamos concordar ou discordar com o artifício, mas pelo menos era assumido de uma forma transparente. Assim é uma fantochada.

O campeonato está ao rubro, parece valer tudo para enfraquecer o adversário, Benfica e FC Porto estão agora superactivos, com o Sporting a correr por fora, mas claramente a posicionar-se, neste momento, do lado do FC Porto.

É tudo muito lamentável. O futebol em Portugal alcançou o estado de paranóia. O aparecimento das direcções de comunicação, dos spins e dos ‘cartilheiros’ pioraram, nos tempos mais recentes, um ambiente futebolístico já de si muito poluído. Ninguém respeita ninguém e as marionetas até se acham… heróis.

NOTA – No meio disto tudo até se perdeu o impacto do excelente jogo que o Estoril realizou, a meio da semana, no Estádio da Luz.





2017-04-07

A coação que os jornalistas da renascença viveram no estádio da luz

Impressionantes imagens colocadas online pela Rádio Renascença onde se vê o vergonhoso comportamento dos adeptos do benfica no momento em que o Porto empata a partida.

Reparem bem na quantidade de objectos atirados e na atitude violenta dos adeptos.



Onde nos leva o discurso de ódio nos briefings?


Desculpem-me a violência gráfica mas cada frase que leio dos tais briefings só me faz lembrar esta terrível consequência que se abateu sobre o futebol português há cerca de 20 anos.

Repito aquilo que disse: quando voltar a acontecer uma tragédia no futebol nacional, a culpa não pode morrer solteira. Está à vista de todos quem dissemina o ódio quase diariamente através dos seus megafones de serviço.

E, para terminar, que tipo de pessoa aceita ser apenas uma caixa de ressonância de alguém que lhe dita o que dizer? Quão vazio de valores tem que ser alguém para se prestar ao vexame de ir com um ditado debaixo do braço para a televisão fazer de ariete? Patéticos.



2017-04-06

Como a BTV ajuda a estragar o futebol em Portugal


Os acontecimentos dos últimos dias relembraram-nos, não que fosse preciso, que vivemos cada vez mais na era da comunicação. Os resultados em campo são completamente minimizados pelo chorrilho de acusações feitos nas horas e dias seguintes àquilo que realmente devia importar, o jogo de futebol.

Para esta discussão muito conta a escolha selectiva de imagens e a manipulação de factos que vamos assistindo ainda os jogos decorrem. Vá lá, ninguém acredita que é inocente o António Rola falar nos intervalos dos jogos do benfica, não é?

E é precisamente nos jogos do benfica em casa que vemos as transmissões mais tendenciosas e a maior manipulação de factos. Ainda temos bem fresco na mente que só foram libertadas as imagens detalhadas das mãos de Pizzi e Nelson Semedo no último derby após o relatório do árbitro. É claro que a falta de disponibilidade de imagens que existiam ajudou a minimizar o impacto dos dois penalties no resultado do clássico.


Nesta jornada vimos a btv a recorrer a mais uma destas tácticas. Horas depois do jogo, o benfica publicou um conjunto de filmagens do banco do Porto durante o jogo de forma a extrapolar as reacções do corpo técnico e dos atletas dos dragões. Esta a atitude levanta um conjunto de perguntas principalmente no que toca ao código deontológico. Mas piora quando nos lembramos do que disse Pedro Guerra (vídeo ao lado) sobre como se realizam jogos na btv "eu também percebo disto, eu trabalho nisto e sei como é que isto se faz. Sei como se escondem lances".



A Liga e a Federação são os principais culpados desta situação pois permitem que só se abram processos sumarissimos com imagens televisivas. Se os donos da transmissão não tiverem interesse nesse processo podem simplesmente fazer de conta que não acompanharam o tal lance e as agressões passam em claro. Como pode um clube ter direitos exclusivos de transmissão de jogos quando um jogo nas competições oficiais inclui sempre uma outra equipa que se vê sujeita a uma gritante dualidade de critérios no que toca à escolha de imagens? As televisões dos clubes não conseguem ser imparciais pela simples razão que... são televisões dos clubes.

Num mundo justo, havendo uma câmara a apontar para o banco de uma das equipas também deveria haver outra câmara a apontar para a outra equipa. Mas como a transmissão foi da responsabilidade da televisão do clube da casa, provavelmente nunca veremos o que aconteceu no banco do benfica.

Mas, talvez, mais importante que o acontecimento é perceber as motivações para o mesmo. Quem deu a autorização. Estaremos num daqueles casos em que o tal "César" moveu os seus cordelinhos para fazer isto acontecer?

É neste aspecto que também nos devemos focar no que toca à centralização dos direitos de transmissão na Liga. Se a Liga for dona das transmissões não haverá dúvidas de que serão feitas transmissões muito mais imparciais, sem tentativas de lesão da honra de intervenientes no jogo e, acima de tudo, sem esconder filmagens de lances polémicos como possíveis penalties e agressões.



José Marinho, o Winston Wolfe de Carnide


Em 1994, Quentin Tarantino trazia ao ecrã prateado o icónico Pulp Fiction. Um entrelaçado de quatro histórias de violência e redenção que encantou o público e ajudou a consolidar a sua carreira dois anos depois de um também genial Reservoir Dogs.


O filme eternizou um conjunto de actores e frases mas uma das mais brilhantes é a de Winston 'The Wolf' Wolfe (interpretado genialmente por Harvey Keitel) que, ao chegar a uma cena que precisa de ser limpa se apresenta com "I'm Winston Wolfe, I solve problems". E resolve mesmo. Winston Wolfe é o chamado cleaner do mundo do crime. Faz desaparecer os indícios de um crime e procura dificultar a vida para as entidades que investigam o mesmo.

Se tivesse que identificar um Winston Wolfe da vida real, escolheria José Marinho. O ex-jornalista e actual dono de uma empresa de comunicação (função que acumula vergonhosamente com os comentários na SportTV) é uma espécie de cleaner de tudo o que são denúncias sobre o benfica. Ainda hoje escreveu um artigo que procura desviar as atenções do discurso de ódio existente nos briefings para um conjunto de assuntos secundários.

É também assim que se manipulam opiniões. E esta manipulação que mantém os líderes das ditaduras muitos anos no poder. Estamos a assistir à repetição da história: propagandistas a orquestrar manobras de comunicação de forma a manipular a opinião pública sobre vários assuntos para que o seu grande objectivo não sofra nenhum desvio. Custe o que custar e a quem custar.




Porque é que o Moreirense despediu Inácio na semana antes de receber o benfica?



Finalmente uma notícia que é mesmo notícia. Nunca ninguém tinha reparado nisto, não é? Augusto Inácio foi o treinador que limpou o benfica da Taça da Liga como quem limpa o cu a meninos e acabou mesmo por conquistar essa mesma Taça.

Para um clube com as ambições do Moreirense, faz sentido despedir o treinador que conquistou um troféu de dimensão nacional como a Taça da Liga e que manteve a equipa de forma segura acima da linha de água? A resposta é, obviamente, não!

Inácio foi despedido, na minha opinião, porque representava uma liability para a vitória do benfica, ao contrário de Petit que, como se pode ver pela imagem que ilustra este post, tem imenso jeito para perder com o benfica.

Para este fim-de-semana não ser uma perda total: peguem em todo o vosso dinheirinho e vão jogar na vitória do benfica no placard. Já percebemos que é dinheiro em caixa!

São briefings, vouchers e pessoas "certas no lugar certo" seja na Liga ou nos bancos dos adversários. Este campeonato já está para lá de podre.





2017-04-05

Leiam aqui o briefing!


O Tu Vais Vencer recebeu de um leitor anónimo o tal briefing que o director de comunicação do Porto atribuiu a Carlos Janela. A prosa é bastante limitada e contem alguns erros mas parece-me mais que suficiente para passar a informação à caixa de ressonância que actua como Estado Lampiânico nos meios de comunicação social. A única coisa que fica a faltar saber é se foram só os comentadores afectos ao benfica que receberam este briefing ou se houve mais gente a ser contemplada.

Vamos colocar aqui as partes que achamos mais interessantes.
Podem clickar nas imagens para aumentar.


Sobre Bruno de Carvalho


O Sporting e o seu Presidente têm sido constantemente atacados pelo estado lampiânico mas no briefing vemos que eles, para além de atacar, procuram passar a imagem de que nunca falam sobre o assunto.

Reparem na quantidade de vezes que insistem em desvalorizar. Em passar a imagem que o Presidente do Sporting não passa de alguém indesejável no futebol Português.

E termina com um enorme "não podemos continuar a alimentar esse MONSTRO". É neste tom que, alegadamente, Carlos Janela se refere ao Presidente de uma instituição centenária como o Sporting Clube de Portugal.

A título de curiosidade, Bruno de Carvalho é referido 62 (SESSENTA E DUAS) vezes no briefing. Vejam bem se não quisessem falar dele...



Mas, para alguém que não queria falar de Bruno de Carvalho, ainda lhe dedicam outro capítulo inteiro! Fica aqui uma das partes:




Sobre o clássico


Os paineleiros do benfica foram, alegadamente, instruidos a minimizar a atitude do Porto em campo e a procurar sempre empolar o benfica de forma a criar a ilusão que só existiu uma equipa em campo. Também se procurou passar a noção do antijogo do porto. Há ainda uns parágrafos onde se cobre os amarelos ao porto e onde se mascára a falta de amarelos ao benfica:
"NÃO ESQUECER de referir que TODA A DEFESA DO PORTO, mais o André André, acabaram o jogo com cartão AMARELO. Para parar o jogo do Benfica, os jogadores do Porto recorreram a faltas e sempre a muitas faltas.
O Casillas não viu cartão amarelo por ANTIJOGO por “simpatia” do árbitro.
NENHUM JOGADOR DO BENFICA viu Cartão Amarelo porque nenhum precisou de recorrer a faltas para controlar o jogo do Porto."






Ataques a Pedro Sousa e a Bernardino Barros



Acusações gravissimas ao Jornal de Noticias sobre fretes ao Porto para incenciar o clássico e pressão para fazer dos orgãos de comunicação oficiais do benfica os "estadistas" de serviço



Ainda escreveram sobre João Pinheiro e, dentro daquela insanidade, acham que foi as atitudes anti-Sportinguistas primárias do mesmo só são motivo de crítica por anti-benfiquistas. Uma delícia!


Tentativa de ligar Bruno de Carvalho à operação Fenix e, mais uma, vitimização de Luis Filipe Vieira.


Os documentos têm um total de 31 páginas. Nessas páginas o tema central é Bruno de Carvalho e a tentativa de mascarar a agressão de Jonas a Nuno Espirito-Santo. Mas, segundo se diz por aí, amanhã todos poderão ler os documentos e tirar as suas conclusões sobre como funciona a máquina de propaganda. Sugir que depois revejam os programas de segunda-feira à noite com os documentos à vossa frente e percebam que não é o André Ventura, o Rui Gomes da Silva ou o Pedro Guerra a falar mas sim quem lhes escreve os discursos! E leiam também as crónicas dos Delgados e Farinhas desta vida. De certeza que algo vos saltará ao olho!

[EDIT] Quem me enviou os documentos disse que podia partilhar o link. Aqui têm.


Nisto conseguimos perceber onde nasce o verdadeiro ódio no futebol nacional! O futebol está minado dentro das quatro linhas com os vouchers e fora delas com os briefings? O que sobra? A paixão dos adeptos pelos clubes. Quando essa for exterminada por esta impunidade, besuntem-se com a merda que fizeram!